O Despertar – Parte 2

O CORTE Nascer, dar-se à luz, e numa espiral anímica o bebê faz-se consciência. Nessa dança sincronística envolta em mistério, a mulher abre-se ao movimento em seu íntimo ao dar à luz, ao realizar-se em criação e ser mãe. Nascer é separar-se e o gesto que o define é agora consciente, voluntário e altruísta —…

O Despertar – Parte 1

O OLHAR Uma centelha, uma pequenina centelha acende-se na energia do encontro, feminino e masculino em completude, em unidade, e Deus em Gaia celebra a nova vida. Terra e estrelas concebem o pequenino corpo que abriga a Luz em si. A mulher acolhe e nutre o mistério, numinosidade moldada, acalentada por mãos universais. E no…

O Despertar

INTRODUÇÃO Os ventos de setembro trouxeram a chuva, regando a terra, lavando os telhados e minha alma também, e, junto com o canto dos pássaros e os brotos na relva, minha querida criança retornou. Meu coração se encheu de alegria, pois era eu, retornando ao lar. Minha criança interior chegou me despertando em lampejos, pedindo…

My heart leaps up when I behold  A rainbow in the sky: So was it when my life began; So is it now I am a man; So be it when I shall grow old, Or let me die! The Child is father of the Man; I could wish my days to be Bound each…

A Física e as Madonas

Uma alma estradeira pode acabar levando a gente por caminhos inesperados. Tudo começou quando decidi explorar aquelas trilhas instigantes — uma história um tanto cabeça, diga-se de passagem — da Física Unificada. Pois não demorou e os contornos masculinos dessas trilhas foram delineando uma aproximação, um aperto de mãos subitamente radiante dos pais em mim.…

Uma Pandorga

Uma pandorga. Uma simples pandorga. Talvez eu aprenda a fazer uma pandorga. Talvez eu aprenda com uma criança a fazer uma pandorga. Talvez a gente desenhe e pinte na pandorga o que só ela e os passarinhos vêem lá de cima, lá do céu. Talvez a gente escreva um pedido ou um desejo, uma esperança,…