Com a maré da manhã surgiu no céu uma lua. De lá desceu e fitou-me. Como o falcão que arrebata o pássaro, Essa lua agarrou-me e cruzou o céu. Quando olhei para mim, já não me vi: Naquela lua meu corpo se tornara, Por graça, sutil como a alma. Viajei então em estado de alma…

Música

Sinto uma leveza ao viajar de trem agora. Ainda costumo ouvir mantras e músicas que alegram meu coração. Por vezes, o Sol parece embarcar também e preencher o vagão com luminosidade, suavizando o ar, aquecendo as pessoas e tudo se torna familiar. Observo que pessoas com aparentes desequilíbrios parecem querer se acomodar perto de mim,…

O Anjo e a Semente

A experiência no trem, o dourado no céu, as pessoas, a infinita diversidade ainda reverberavam leves e sutis em meu coração, em cada célula de meu corpo, e ampliavam as planícies dentro de mim, alumiando o solo numa sensação de me expandir num horizonte luminoso de possibilidades. Foi então que, num bater de asas, conheci…

A Luz Dourada

Mais uma vez eu embarcava no trem, era daqueles antigos, com ventiladores no teto sempre a dar o tom à rotina das pessoas, suas conversas, suas inquietações, seus silêncios. Sentei-me à janela que algum passageiro anterior havia aberto o suficiente a convidar o ar primaveril a viajar. Então, lembrei de uns mantras que havia guardado…

Anoche cuando dormíasoñé ¡bendita ilusión!que una fontana fluíadentro de mi corazón.Dí: ¿por qué acequia escondida,agua, vienes hasta mí,manantial de nueva vidaen donde nunca bebí?Anoche cuando dormíasoñé ¡bendita ilusión!que una colmena teníadentro de mi corazón;y las doradas abejasiban fabricando en él,con las amarguras viejas,blanca cera y dulce miel.Anoche cuando dormíasoñé ¡bendita ilusión!que un ardiente sol lucíadentro…

Madrepérola

Contemplava as estrelas que ainda cintilavam aqui e ali, brincando no amanhecer de um delicado despertar, e, em meio a seu brilho, havia o azul, o azul profundo, o azul da quietude do mar, em mim. E, deste mar interior que ora contemplava, emergiu uma imagem, uma numinosa forma abstrata, centrada em si mesma, que,…

Há mulheres que trazem o mar nos olhos Não pela cor Mas pela vastidão da alma E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos Ficam para além do tempo Como se a maré nunca as levasse Da praia onde foram felizes Há mulheres que trazem o mar nos olhos pela grandeza da imensidão da…

O Despertar – Parte 3

MÃE GAIA Deus em Gaia se fez Ser, e mãe e bebê existem neste mistério, presentes em Gaia como parte deste grande Ser. Moldados a partir de seus elementos, nutrindo-se em sua exuberância e generosidade, entrelaçados a ela, resplandecem no todo aquilo que vivem e são a cada instante. A celebração da vida, o riso…

O Despertar – Parte 2

O CORTE Nascer, dar-se à luz, e numa espiral anímica o bebê faz-se consciência. Nessa dança sincronística envolta em mistério, a mulher abre-se ao movimento em seu íntimo ao dar à luz, ao realizar-se em criação e ser mãe. Nascer é separar-se e o gesto que o define é agora consciente, voluntário e altruísta —…

O Despertar – Parte 1

O OLHAR Uma centelha, uma pequenina centelha acende-se na energia do encontro, feminino e masculino em completude, em unidade, e Deus em Gaia celebra a nova vida. Terra e estrelas concebem o pequenino corpo que abriga a Luz em si. A mulher acolhe e nutre o mistério, numinosidade moldada, acalentada por mãos universais. E no…